top of page

Novas tendências do gerenciamento de projetos

Atualizado: 27 de nov. de 2022

Escrito por Viviane da Silva Santos, bacharela em Ciência e Tecnologia pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e Engenheira Civil pela mesma instituição.


Figura 1: Gerenciamento de Projetos

Fonte: Project Builder, 2017.


Qualquer organização inserida no mercado, ao longo de sua existência, está envolvida em projetos, seja essa organização uma geradora de produtos e/ou serviços. Esses projetos podem ter a duração de dias, meses ou até mesmo anos.


Projeto pode ser definido como um conjunto de atividades temporárias, sendo essas atividades realizadas em grupos e com a finalidade de produzir um produto, serviço ou resultados únicos. Um projeto é temporário no sentido de que tem um início e fim definidos no tempo, possuindo assim, um escopo e recursos definidos. (VALLE; FERREIRA; JOIA, 2014). Além disso, um projeto tem como objetivo atingir metas que já foram estabelecidas antes da iniciação do projeto, contendo prazos bem estabelecidos.


Várias áreas de uma organização são envolvidas quando se está trabalhando em um projeto. E o mercado está cada vez mais exigentes no que diz respeito a qualidade, custos, prazos e escopo. Diante disso, a gestão ou o gerenciamento de projetos se torna uma ferramenta fundamental para que alcance o sucesso dos projetos. Segundo Kerzner (2002) “para atingir resultados diretos, faz-se necessário que a gestão de projetos estimule mudanças na cultura organizacional”. A escolha do gerente de projetos também se torna algo fundamental para o bom funcionamento da execução do projeto.


Figura 2: Gerente de Projetos

Fonte: Project Builder, 2017.


O gerente de projetos tem como responsabilidade conduzir projetos cada vez mais críticos diante do cenário competitivo. A necessidade concomitante de gerir pessoas para somar esforços que resultem em um produto ou serviço únicos exige do gerente de projetos habilidades éticas, interpessoais e conceituais (PMI, 2013).


Segundo o Guia PMBOK (PMI, 2013), o ciclo de vida do projeto pode ser definido de acordo com as particularidades da organização e das tecnologias empregadas, de forma que as entregas e atividades específicas poderão variar muito devido o projeto, mas o ciclo de vida do projeto oferece uma estrutura básica para seu gerenciamento, independentemente do trabalho específico desenvolvido.


Ainda segundo o PMBOK (2013) existem cinco fases para elaboração de um projeto, sendo eles:


  1. Iniciação: Inicia após identificar as necessidades da empresa e a avaliar a viabilidade do projeto, nesta fase é onde começa a discussão, as ideias começam a surgir para serem colocadas em prática e a equipe é formada;

  2. Planejamento: Se inicia ainda com a fase de iniciação em andamento. Nela são coletadas as informações necessárias para definir e melhorar os objetivos do projeto, onde pode se destacar os melhores fornecedores, preços, riscos a serem enfrentados e a qualidade a ser apresentada, além de desenvolver um plano de ação para alcançar estes objetivos;

  3. Execução: Esta é a fase em que os planejamentos realizados na fase de planejamento são colocados em pratica, o gerente de projetos responsável entra em ação com a equipe já preparada, onde cada integrante será responsável pela entrega de uma atividade, a fim de executar as atividades do projeto conforme com o plano de gerenciamento do projeto;

  4. Monitoramento e Controle: Nesta fase é onde os objetivos são analisados conforme o progresso do projeto. Fundamenta-se em analisar, acompanhar e organizar o desenvolvimento do projeto, identificar mudanças e em quais áreas serão, e assim, colocá-las em prática.

  5. Encerramento: Após o término das quatro fases, se inicia a fase final do projeto. Onde se espera finalizar todas as atividades focando concluir o projeto formalmente. Após a conclusão é avaliado se todas as fases foram cumpridas com êxito.


Com as mudanças que vão surgindo novas tendências de gerenciamento de projetos se tornam necessárias, neste texto traremos 3 novas tendências, que são: gerenciamento de projetos com metodologia Agile®, gerenciamento de projetos para equipes híbridas e gerenciamento de projetos orientados por dados com BI.


1. Gerenciamento de projetos com metodologia Agile®.


As metodologias ditas como ágeis, são um conjunto de processos realizados para o desenvolvimento rápido de um software. Estes processos costumam ser interativos, intercalando as atividades de especificação, projeto, desenvolvimento e teste (SOMMERVILLE, 2007). Segundo Benzecry (2017), “agilidade ou ser ágil, não é simplesmente um adjetivo ou um método pronto, é uma competência de equipes em ambientes de gerenciamento de projetos”.


Um processo ágil deve ser capaz de administrar a imprevisibilidade, sendo capaz de se adaptar às diversas mudanças que podem ocorrer durante o desenvolvimento do projeto, e essa adaptação deve ser feita de forma incremental, ou seja, a equipe de desenvolvimento necessita do feedback do cliente para que as devidas adaptações sejam realizadas corretamente (Pressman, 2011).


Hoje em dia são utilizadas inúmeras metodologias ágeis, sendo as mais utilizadas: Método SCRUM, Kanban, Lean, Extreme Project Management – XPM e Agile Project Management – APM


2. Gerenciamento de projetos para equipes híbridas


Em 2020 fomos “pegos” de surpresa com a pandemia do SARS-CoV-2, onde várias empresas tiveram que reformular a forma de trabalho de seus funcionários, alguns optaram por continuarem trabalhando de forma 100% presencial, outras 100% remota e outras de forma híbrida, que é parte de forma presencial e parte de forma remota, onde a porcentagem variou da necessidade de cada organização.


Para essa última forma de trabalho, torna-se necessário um fluxo de trabalho menos tradicional, principalmente para aqueles que estão de forma remota.


A vantagem de se ter uma equipe híbrida é que a empresa pode ter funcionários de diferentes regiões, e até de países diferentes. Onde poderiam adotar encontros de forma virtual.


Um estudo do Google de 2021 mostrou que mais de 75% dos entrevistados da pesquisa esperam que o trabalho híbrido venha a se tornar uma prática padrão dentro de suas empresas nos próximos três anos.


Para esse tipo de gerenciamento, a adoção de metodologias ágeis seriam uma boa opção, uma vez que o Agile® é um conjunto de princípios que ajuda na rápida adaptação às mudanças e apresenta uma abordagem mais flexível do que a estrutura tradicional.


O impacto positivo desse modelo é a combinação de todos os seus projetos, tarefas, pessoas e comunicações em um só lugar, melhorando a tomada de decisão. (JÚNIOR, 2021)


3. Gerenciamento de projetos orientados por dados com BI e BA


Business Intelligence (BI) pode ser definido como uma forma de analisar dados e esses serem apresentados de forma mais visual, onde esses dados são retirados através de ferramentas criadas para tal função. O gerenciamento de projetos envolve muitos dados, e esses são muito importantes para garantir o sucesso do projeto. Com esses dados em mãos, os responsáveis por tomadas de decisões em uma empresa, conseguirão saber qual o melhor caminho trilhar bem como tomar decisões mais assertivas.

Nos tempos atuais, qualquer empresa precisa de uma integração de seus dados e informações procedente de sua cadeia de valor, e a organização que optar por utilizar o BI irá se beneficiar das facilidades proporcionadas pela autonomia que qualquer gestor de negócio ou projeto terá ao executar atividades referentes ao planejamento e gerenciamento (SILVA, 2004).


Gostou do post?


Curta, comente e compartilhe com os seus amigos!


REFERÊNCIAS:


BENZECRY, Fernando Salztrager. Metodologias ágeis para gerenciamento de projetos de inovação e pesquisa e desenvolvimento. 2017. 51 f. Monografia (Especialização) - Curso de Gerenciamento de Projetos, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2017.


JÚNIOR, J. A gestão de projetos está mudando: olha essas tendências que já são realidade no dia a dia. Disponível em: https://gerentesdeprojetos.com/2021/03/23/a-gestao-de-projetos-esta-mudando-olha-essas-tendencias-que-ja-sao-realidade-no-dia-a-dia/. Acesso em: 05 de junho de 2022.


KERZNER, H. R. Gestão de Projetos – As melhores práticas, Trad.Marco Antonio Vieira Borges, Marcelo Klippel e Gustavo Severo Borges – Porto Alegre: Bookman, 2002.


PMI. (2013). A Guide to the Project Management Body of Knowledge ( PMBOK® Guide ) - Portuguese (5th ed.). Pennsylvania, USA: Project Management Institute, Inc.


PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software: Uma abordagem Profissional. 7ª Edição. Porto Alegre: Mcgraw-Hill, 2011. 780 p


SILVA, A. P. Data Warehouse e Data Mart como Ferramentas de Inteligência em negócios (BI) . 2004. 58 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialista em Desenvolvimento para WEB) – Curso de Pós Graduação em Tecnologia de Desenvolvimento para a WEB, Departamento de Informática, Universidade Estadual de Maringá, Maringá


SOMMERVILLE, I. Engenharia de Software. 8ª Edição. São Paulo: Pearson, 2007. 568 p.


VALLE, J. A. S.; FERREIRA, V. C. P.; JOIA, L. A. A representação social do escritório de gerenciamento de projetos na percepção de profissionais da área. Gestão & Produção, v. 21, n. 1, p. 185-198, 2014.


9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page