ANOTA AÍ: 5 Maneiras de reduzir os riscos de enchentes urbanas

Atualizado: Set 12

Escrito por Isamara Coelho Neves, Júlia Araújo Camargo e Karolayne Gonçalves Cota sob orientação dos professores Alcino de Oliveira Costa Neto e Iara Ferreira de Rezende Costa.


As inundações representam uma das maiores ameaças da urbanização. Devido à impermeabilização do solo e a remoção de cobertura vegetal natural, cada vez mais, chuvas menores e de menor tempo de recorrência, passam a causar maiores transtornos à cidade (ALVES, 2005).


De acordo com Tucci (2003), é ingenuidade do homem imaginar que poderá controlar totalmente as inundações, com isso as medidas adotadas sempre visam minimizar as suas consequências.


Dessa forma faz-se necessária a adoção de ações para minimizar os efeitos negativos das enchentes e inundações urbanas. Entre elas se encontram: aumento das áreas verdes, utilização de pavimento permeável, zoneamento urbano, reservatórios de armazenamento e captação e aproveitamento da água da chuva.


1. Aumento das áreas verdes


As áreas verdes reduzem a vazão e volume de escoamento da água da chuva, seja absorvendo a água através da infiltração ou através da interceptação da chuva na vegetação. Uma boa solução para aumentar a área verde é a instalação de coberturas com vegetação. Os famosos telhados verdes, além de lindos, são ótimos para reter a água pluvial (RANGEL, 2020).


Figura 1 – Telhado Verde

Fonte: SustentArqui, 2018.

2. Pavimentos permeáveis


A impermeabilização dos lotes urbanos tem causado altos picos de vazão e consequentemente uma frequência cada vez maior de inundações. O uso de pavimentos permeáveis em áreas urbanas pode reduzir o escoamento superficial e aumentar a recarga das águas subterrâneas (MAUS et al, 2007).


Estes pavimentos caracterizam-se por apresentarem camadas porosas ou perfuradas em sua estrutura que permitem a infiltração de parte das águas que escoam superficialmente e posterior absorção pelo solo.

Figura 2 - Pavimento permeável

Fonte: RANGEL, 2020.

3. Zoneamento


O zoneamento propriamente dito é a definição de um conjunto de regras para a ocupação de áreas de maior risco de inundação, visando à minimização futura das perdas materiais e humanas em face das grandes cheias; e um desenvolvimento racional das áreas ribeirinhas.


Esta medida é baseada no mapeamento das áreas de inundação dentro da delimitação da cheia de 100 anos ou maior registrada. Dentro dessa faixa, são definidas áreas de acordo com o risco e com a capacidade hidráulica de interferir nas cotas de cheia a montante e a jusante. O zoneamento é incorporado pelo Plano Diretor Urbano da cidade e regulamentado por legislação municipal específica ou pelo Código de Obras. (Tucci, 2003).

4. Reservatórios de armazenamento


Reservatórios de armazenamento tem a finalidade específica de controle de cheias urbanas e atuam retendo parte do escoamento superficial gerado durante as precipitações, para depois fazer sua devolução de forma lenta e gradual aos leitos dos córregos e rios, atenuando o pico dos hidrogramas e redistribuindo as vazões ao longo do tempo (NAKAZONE, 2005).


São dispositivos capazes de se adequarem às áreas consolidadas, densamente urbanizadas e com poucos espaços livres, que caracterizam a maioria das bacias hidrográficas dos grandes centros urbanos, principal alvo dos eventos de cheias (NAKAZONE, 2005).

Figura 3 - Reservatório de armazenamento

Fonte: SOARES, 2015.

5. Captação e aproveitamento da água da chuva


A captação e aproveitamento da água da chuva não só diminui o volume que vai para a rede de drenagem, como também permite diminuir o consumo de água potável para usos não potáveis, como irrigação de jardins e nas bacias sanitárias (RANGEL, 2020).


Gostou do nosso post?!


Curta, comente e compartilhe com os seus amigos!

REFERÊNCIAS

ALVES, E. M. Medidas não-estruturais na prevenção de enchentes em bacias urbanas: cenários para a Bacia do Gregório. USP: São Carlos - SP, 2005. Disponível em: http://livros01.livrosgratis.com.br/cp012266.pdf. Acesso em 11 jul. 2020.


MAUS, V. W.; RIGHES, A. A. ;BURIOL, G. A. Pavimentos permeáveis e escoamento superficial da água em áreas urbanas. I Simpósio de Recursos Hídricos do Norte e Centro-Oeste, 2007. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/242205224_PAVIMENTOS_PERMEAVEIS_E_ESCOAMENTO_SUPERFICIAL_DA_AGUA_EM_AREAS_URBANAS. Acesso em 11 jul. 2020.

NAKAZONE, L. M. Implantação de reservatórios de detenção em conjuntos habitacionais: a experiência da CDHU. São Paulo, 2005. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3147/tde-13042006-210759/publico/ImplantacaoReservatoriosDetencao.pdf. Acesso em 11 jul. 2020.

RANGEL, J. 10 soluções para diminuir os riscos de enchentes nas cidades. 2020. Disponível em: https://sustentarqui.com.br/10-solucoes-para-diminuir-os-riscos-de-enchentes-nas-cidades/. Acesso em 11 jul. 2020.


SOARES, H. Obras para prevenir enchentes na Tijuca entram na etapa final. 2015. Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/web/guest/exibeconteudo?id=5410719. Acesso em 11 jul. 2020.

SUSTENTARQUI. Grande telhado verde é destaque em uma casa em São Paulo. 2018. Disponível em: https://sustentarqui.com.br/grande-telhado-verde-casa-plana-sp/. Acesso em 11 jul. 2020.

TUCCI, C. E. M. Inundações e drenagem urbana. 2003. Disponível em: https://www.semarh.se.gov.br/wp-content/uploads/2017/02/cap3-1.pdf/. Acesso em 11 jul. 2020.

104 visualizações

Todos os direitos reservados ao Projeto de Extensão Construção +